Covid-19: desinfecção de superfícies e objetos

terceirização de serviços
Terceirização de Serviços: tudo o que você precisa saber
29 de julho de 2020
carteira_profissional_abono
PIS-Pasep 2020-2021:pagamento abono salarial
21 de agosto de 2020

Covid-19: desinfecção de superfícies e objetos

empresa terceirizada de limpeza

Formas de contágio

Uma das formas de contágio do coronavírus é o contato com superfícies e objetos contaminados

Como como celulares, mesas, maçanetas, brinquedos, teclados de computador etc… e também com pessoas doentes, que através do toque de mão, gotículas de saliva, espirro, tosse.

A chefe do Setor de Saneantes do Departamento de Microbiologia do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz),

Dra. Bruna Sabagh, orienta sobre a limpeza e desinfecção correta dos ambientes, utensílios e objetos.

Cientistas dos Estados Unidos, de universidades e do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), desenvolveram o estudo Aerosol and surface stability of HCoV-19 (SARS-CoV-2) compared to SARS-CoV-1, identificando a sobrevida do vírus em várias superfícies:

Tempo de permanência de vida do Vírus em Superfícies

aço inoxidável – 3 dias;

plástico – 3 dias;

papelão – 1 dia;

cobre – 4 horas.

Devido a isso, a desinfecção e limpeza devem abranger todos os possíveis locais que podem estar com o coronavírus presente, incluindo o chão, maçanetas, corrimão, interruptores de luz, superfícies de móveis, chaves, embalagens de produtos etc.

No caso de utensílios e objetos, a limpeza com água e sabão é considerada eficiente para a descontaminação do coronavírus.

Quando essa limpeza não é possível, é necessário então o uso de desinfetantes.

Entre esses desinfetantes que podem ser utilizados estão:

*o álcool etílico nas formas líquido e em gel a 70%

*hipoclorito de sódio.

*quaternários de amônio.

*compostos fenólicos.

Detalhes de desinfecção.

Na desinfecção de superfícies, conforme enfatizado por ela, o primeiro passo é utilizar apenas produtos desinfetantes regularizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Não é recomendável o uso de produções caseiras ou vendidas em mercados informais, pois podem acarretar riscos à saúde (queimaduras, intoxicação, irritações) e não serem eficazes.

Além disso, para alcançar o resultado esperado, é importante seguir as informações contidas nos rótulos dos produtos, que especificam as substâncias e fornecem as instruções de uso e armazenamento – lembrando que os desinfetantes devem ficar fora do alcance de crianças e animais de estimação – e os cuidados e equipamentos necessários para sua aplicação.

Além da desinfecção e limpeza das superfícies e objetos, dra. Bruna ressalta a orientação do Ministério da Saúde (MS) com os cuidados que se deve ter ao chegar da rua:

“A recomendação é que as pessoas não saiam de casa, fiquem em afastamento social.

Mas em caso de extrema necessidade, a pessoa deve porem, ao chegar da rua, tirar os calçados e limpá-los em um local separado em casa, lavar as mãos com água e sabão, trocar a roupa e lavá-la imediatamente, e em seguida tomar banho”, orientou, e completou: “também é recomendável que sejam higienizados os objetos que você levou para rua, como carteira, chaves e celular, bem como os que trouxeram dela, como sacolas de mercado e a embalagem dos produtos comprados”.

Créditos -Portal Fio Cruz Br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat